Imagem: Pexels

Se você visitou algum site recentemente, provavelmente já viu e talvez até tenha interagido com um chatbot. Eles têm invadido a internet e os departamentos de marketing e vendas das empresas não conseguem parar de falar sobre eles. Um pouco diferente do chat ao vivo – onde um ser humano real está por trás do diálogo – os chatbots trabalham para conversar naturalmente com os visitantes de um site e ajudá-los a obter o que precisam de forma mais rápida e precisa.

Algumas empresas já conhecem os benefícios de possuir um chatbot nos seus sites ou redes sociais. Eles possuem uma excelente taxa de engajamento e conversão e a disponibilidade 24/7 aumentam os níveis de satisfação dos clientes. Inclusive, uma pesquisa feita pela Mindshare mostrou que 63% das pessoas conversariam com um chatbot para se comunicar com uma empresa ou marca.

Devido à essa adoção bem-sucedida pelos usuários finais, 80% das empresas já planejam implantar algum tipo de chatbot até 2020, segundo pesquisa feita pela Oracle. Usando tecnologias de Inteligência Artificial, cada vez mais bots estão sendo lançados utilizando recursos como processamento de linguagem natural, reconhecimento de imagem e conversão de voz para texto, possibilitando que os chatbots entendam o assunto da conversa e respondam os humanos naturalmente.

Substituindo aplicativos móveis
De acordo com o Gartner, até 2021, 50% das empresas gastarão seus orçamentos mais em chatbots do que em desenvolvimento de aplicativos móveis tradicionais. À medida que o mercado de aplicativos se torna mais saturado, faz sentido que organizações maiores se concentrem em criar fluxos de trabalho baseados em I.A. para sua estratégia de negócios.

Experiência aprimorada de conversação
Além disso, até 2021, o Gartner constatou que o será adotada nas maioria das empresas a experiência conversacional do usuário (CUX, na sigla em inglês), uma nova variação do design UX (User Experience). Uma CUX eficiente garante que os usuários resolvam seus problemas, tirem suas dúvidas e atinjam seu objetivo ao serem atendidos por um chatbot, tudo isso no menor tempo possível. Alguns exemplos de CUX incluem o desenvolvimento de uma persona para a marca, conteúdo personalizado e conversas guiadas. Isso é algo para se ter em mente à medida que empresas começarem a implementar essa estratégia, já que qualquer organização que não consiga acompanhar o CUX corre o risco de ficar para trás nos rankings de busca, relevância e vendas.

Muito além do atendimento ao cliente
Com as inúmeras aplicações no âmbito de atendimento ao cliente, espera-se que os chatbots ajudem a reduzir os custos das empresas em até US$ 8 bilhões até o ano de 2022, de acordo com a Juniper Research. Prevê-se que os bots serão ainda mais usados em relacionamentos B2C, B2B e B2E, como CRMs, intranet e helpdesk de TI.

E como começar a usar um chatbot na sua empresa?
Conte com a Ezok para atender seus clientes usando um chatbot com Inteligência Artificial, sem perder tempo aprendendo a configurar seu chat. A nossa equipe de Curadoria se encarrega de treinar tudo o que a Ezok precisa saber para atender seu cliente enquanto você fica focado na sua empresa. Conheça nossos planos e comece hoje mesmo.

Post baseado no artigo What’s Going to Be Big in Chatbots? de IMPACT.